sábado, 17 de novembro de 2007

Lucerna corporis

Lucerna corporis est oculus. Si ergo fuerit oculus tuus simplex, totum corpus tuum lucidum erit; si autem oculus tuus nequam fuerit, totum corpus tuum tenebrosum erit. Si ergo lumen, quod in te est, tenebrae sunt, tenebrae quantae erunt!

Secundum Matthaeum 6, 22-23

4 comentários:

Firefly disse...

nao percebi um cu. LOL

André disse...

Há muito tempo que não vinha aqui espreitar, e dou logo com a Vulgata ;) Não sou crente, como sabes, o que mais correctamente me define é ser ateu. Mas felizmente houve o cristianismo, para nos dar textos tão espantosamente bonitos e complexos como os do Novo Testamento - já sem falar desse portento do génio humano que é a música sacra do Renascimento e do Barroco, já sem falar da pintura ocidental pós-clássica, que é antes de mais uma pintura sacra, e só depois profana. Nesse aspecto o Alcorão, que ando a ler em árabe e inglês (mais em inglês do que em árabe, hélàs), é decepcionante. Falta-lhe a riqueza e a profundidade do Novo Testamento. E falta ao árabe a ginástica sintáctica latina ou grega - ou indo-europeia em geral. Mas isso é outra história. Vale.

André disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André disse...

Quomodo uales? Ego ualeo, quamuis die altera qua me uidisti fessus nimis essem. Et lego et scribo domi, praecipue de dissertatione mea, et ludo in gymnasio, ne crassus deueniam denuo. Arabicam exerceo linguam, mane examen erit. Se nunc dormiendumst. Vale.