quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

Sinais de desespero

Esqueci o teu rosto. Perdi dentro de mim os detalhes que tão minuciosamente recolhi, aqueles que me permitiam reconstruir-te quando não te tenho por perto. Mas não o olhar. Esse não te pertence. É filamento frágil e efémero que se gera no espaço entre os teus olhos e os meus. E então tenho-te por momentos. Capturado nessa tua insinuação cruelmente ambígua, esforço-me por projectar até ti a massa viscosa da minha paixão. Esquivo, retalias com indiferença que não compreendo. E aqui me encontro prostrado, carregando este vazio repleto de dor.

1 comentário:

Firefly disse...

Nem todos são tao susceptiveis de te amar... No entanto espero que essa indiferença seja apenas uma proteção, tal como a de não falar de coisas importantes, ou de chorar virado para uma parede quando temos vergonha de alguem, ou nao olhamos nos olhos, ou... tantos 'ou', que nem eu nem tu sabemos contar...