quinta-feira, 30 de abril de 2009

Fragmentum III

My hands rushed across the white plains of his chest, lured by the gushes of his skin's elysian scent, and i feared only lest such love should remain unfulfilled.

7 comentários:

Firefly disse...

niceeeeee

Anónimo disse...

Sturlun við fjar-óð
Sem skyldu-skrá.

Og hér ert þú

Fannst mér...

Anónimo disse...

Para começar peço perdão pois não sei se estou a deixar o comentário no lugar certo, mas queria muito dar-te os parabéns pelo blog. É absolutamente lindo... Tenho vindo a ler tudo o que escreveste como se de um romance se tratasse e as tuas palavras tocaram-me de um modo muito especial, talvez porque o teu percurso é igual ao de tantos nós... As mesmas angústias, os mesmos receios... Nunca deixes de escrever! Aqui no blogue, nas nuvens, onde quiseres, mas nunca deixes de escrever! Despeço-me com um beijinho, para o autor de um dos melhores blogues do universo da internet :)

Adomnán disse...

Muito obrigado... :)

Anónimo disse...

Não precisas agradecer :) Ah! Ainda bem que consegui que o comentário chegasse até ti :) Deixa-me dizer-te que és natural de um sítio lindo: Açores :) Eu também sou de lá :) (Ponta Delgada) A tua inspiração primorosa está explicada :)

Adomnán disse...

Há, sem dúvida, um bocadinho dos Açores em tudo o que escrevo, mesmo quando não é explícito... E talvez só um açoriano possa realmente compreender muitas das coisas que aqui vou escrevendo. Fico contente por te teres cruzado com meu blog, e que o leias com tanto gosto! E São Miguel...digo-me imensas vezes que tenho de lá voltar para sair da cidade e conhecer o resto da ilha, mas ainda não aconteceu. Um dia... :)

Anónimo disse...

Compreendi cada palavrinha que escreveste - neste momento também não estou a viver em Ponta Delgada, contudo, trago aquele paraíso sempre comigo: na memória, no coração... :)Faço votos de que possas explorar melhor a ilha em breve :)